Daniel Godri Junior
Segunda à sexta 8h30 às 18h
41 3024-2445

Ele também consegue aproximar o público com histórias de tocar o coração o que faz com que suas palestras se tornem momentos inesquecíveis.

Quem é o cliente para você?

por Daniel Godri Junior

Postado em 04/05/2017

Esta é uma pergunta essencial e que todos devem constantemente se fazer. Mas afinal, quem é o cliente par a mim? Como eu o vejo? Qual a importância dele para o meu trabalho e para a minha empresa?

Esta pergunta se parece com perguntas que possuem respostas óbvias. Parece. Porém, inúmeras organizações e pessoas têm diferentes respostas a esta essencial pergunta.

Por que essencial? Porque dependendo da sua resposta, e com base nela, você atenderá melhor ou não o seu cliente.

Para alguns o cliente é rei. Para estes o cliente rei sempre tem razão. Afinal rei manda e desmanda, escolhe a hora, o preço, como e quando. Não há questionamento possível a ser feito ao cliente que determinamos de "rei". Mas esta definição é perigosa porque existem coisas que não somente não podemos fazer aos clientes como em muitos casos não devemos fazer. Estas são muitas vezes questões éticas, questões sobre a lucratividade da empresa, questões em que não adianta prometer que não podemos cumprir.

Para outros o cliente é um chato. Afinal ele vive incomodando. Pergunta muito, nem sempre compra. Chega em momentos inconvenientes. Para quem vê o cliente como chato o importante é despachá-lo e o quanto antes. Neste caso o atendente trabalha com respostas padrões e na lei do menor esforço. Dá um material explicativo para o cliente para que ele descubra tudo sozinho, manda acessar o site da empresa e procurar as informações, se não encontrar o que procura ou ainda tiver alguma dúvida que volte a ligar.

Para outros o cliente é um espertalhão. Segundo este ponto de vista preciso ficar ligado pois o cliente sempre vai tentar me enganar fazendo com que eu lhe dê coisas que não são possíveis.

O cliente algumas vezes é visto exclusivamente como uma bela fonte de lucro. O problema desta abordagem é que em partes ela é verdadeira. O cliente gera sim os ganhos da empresa, mas se somente o olharmos por este prisma podemos correr o risco de atender os mais bem vestidos de uma maneira melhor. Podemos nos preocupar mais em empurrar produtos do que em atender bem. Afinal o importante é o dindin. Eu não quero saber seu nome, quero saber da “tua grana”. Pessoas que vêem o cliente exclusivamente sob este prima se frustram quando este cliente quer comprar somente uma peça barata de reposição. Após afirmar o seu pequeno desejo de compra. O vendedor pergunta num tom de desânimo e frustração: “Mas é só isso mesmo hoje?” É uma pena, pensa ele em segredo, que não atendi o próximo.

O cliente às vezes passa a ser um simples usuário. Quem o vê assim julga que é um grande favor para o cliente ser atendido. Ele que espere, estou fazendo o que posso. É infelizmente uma visão difundida em alguns serviços públicos. Obviamente existem excelentes funcionários e servidores públicos. Porém é mais comum esta visão em tipos de serviço ligados a educação e saúde, pública ou particular.

Para mim o cliente é um hóspede. Para o hóspede damos o melhor que temos. A melhor toalha, a melhor cama possível, uma janta feita com amor. Contudo, ninguém permite ou espera que o hospede coloque os pés em cima da mesa ou do sofá, que ele ouça um som muito alto a avançadas horas da noite, que saia comendo e bebendo o que quiser sem dar o mínimo de satisfação ou ainda que invada a nossa privacidade.

Esta é uma boa definição de muitas outras possíveis. O cliente deve ser extremamente bem atendido mas até um bom atendimento tem limites técnicos e financeiros.

Assim te convido a lembrar que assim como o coração é essencial para o homem o cliente é essencial para a empresa. De fato o primeiro a pagar nosso salário não é o chefe, a empresa ou o RH. Atrás de todos estes está o cliente que compra, gera lucro e permite a empresa continuar a crescer e a contratar.

Mas afinal para você leitor, quem é o seu cliente?

Receba
Novidades
Telefone: 41 3024-2445
© 2017 DANIEL GODRI . TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.